sexta-feira, 23 de maio de 2014

Um alguém

Para um alguém.

M


  

"Queria tanto ser tua, e no entanto nunca deixei de ser tua,
estendes-me esse sorriso e eu deito-me, nada me manipula mais do que esse sorriso,
e as tuas mãos tão grandes nas minhas pequenas,
a dimensão do teu olhar,
fico inteira por dentro dele, protegida e só eu, à espera de que o mundo acabe para sermos só nós para sempre,
sou feliz quando me amas, e isso aterroriza, entendes?, ninguém merece gostar assim, muito menos eu, que sou apenas uma pessoa como outra qualquer,
como pode o amor mais talentoso do mundo pertencer a alguém tão normalzinha quanto eu?,
e não sei o que fazer, devia estar preocupada com o que nos pode acontecer por fora, com aqueles que nos podem fazer mal,
porque há tanta gente que nos quer fazer mal?, porque é amar tão criminoso assim?,
mas só me preocupo com o que nos pode acontecer por dentro,
quero que me ames seja onde for, contra quem for, doa o que tiver de doer,
quero que me ames mas não consigo ser heróica o suficiente para te amar imediatamente,
preciso de um tempo de descanso, amar tão toda cansa,
amar cansa,
mas não amar mata,
hei-de pensar em qualquer coisa para nos tirar daqui, qualquer coisa que nos leve juntos para algum lado,
nem que seja um tiro, sei lá,
pode ser ou fazes questão de continuar vivo?"







in http://odiariodeumhumano.blogspot.pt/2014/05/89.html


Sem comentários:

Enviar um comentário