quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Entrelinhas e mais entrelinhas

Quase 3 meses passaram, e tu ainda aqui estás. Mas falar sem ver não é a mesma coisa... e é disso que sinto a falta.

No outro dia, disseste-me que preferes ouvir do que falar, que não é por não falares que signifique que não queiras falar. Sei que havia muito para ler nas entrelinhas, só gostava que o dissesses. Ainda aqui estou, à espera que o digas. Gostava tanto que o dissesses.

Noutro dia, noutra conversa, também me disseste que tinhas mudado as tuas prioridades. Mais entrelinhas. Mais espaços que preencho com significados incertos... Se pelo menos te visse a dizer isso, se pelo menos te visse num lugar qualquer!

Eu espero, mas não posso ser eu preencher as entrelinhas. Mais que tudo, porque as entrelinhas são tuas e não quero voltar a fazer planos imaginários que não vou cumprir. Posso ser eu a ouvir-te desta vez?

Espero que sim. Espero aqui, onde me sabes encontrar.




M