domingo, 15 de janeiro de 2012

Se há coisa que me "mata" por dentro são as despedidas. O não saber o que vem a seguir e ter de me despedir. Mesmo que seja um "até já", no entretanto não controlo o espaço de tempo que passa entre o adeus e o olá. E não gosto.

M